Monthly Archives: Maio 2014

“O spin doctor de António Costa que antes de o ser já o era”

Menos de 24 horas antes de o autarca se disponibilizar para liderar o PS, o consultor Alexandre Krausz criou o perfil Capacitar Portugal António Costa 2015 nas redes sociais. Pura coincidência, garante, em declaraçõs ao Público….

Mas, porque a vida é uma merdia, o spin doctor devia estudar melhor a lição antes de vir afirmar que criou a página no dia das eleições. Sabe que, no Facebook, aparece a data de criação da página? Pois, a página foi criada a 27. Querem fazer-se de inocentes para quê?

842548

 

O spin doctor de António Costa que antes de o ser já o era

Não tem sido fácil para Alexandre Krausz, ainda por cima “consultor de estratégia” de profissão, convencer as muitas pessoas que o contactam que criou a conta no Twitter e o perfil no Facebook Capacitar Portugal António Costa 2015 sem saber que, menos de 24 horas depois, o autarca de Lisboa estaria a anunciar a sua disponibilidade para liderar o PS.

Mas Alexandre Krausz garante que foi mesmo coincidência e que criou aquelas contas no Twitter e no Facebook, que nesta quarta-feira à tarde já contavam respectivamente com cerca de 600 e 4400 seguidores, sem qualquer combinação com António Costa.

A circunstância de Alexandre Krausz também ter sido assessor de Jorge Lacão, Pedro Silva Pereira e do próprio primeiro-ministro no primeiro Governo de José Sócrates – com o qual afirma ter deixado de colaborar por iniciativa própria e “desilusão” – também não o ajudará a convencer ninguém de que não tem estado em trabalho político com uma das facções em que o PS entretanto se dividiu. Mas não foi nada disso o que se passou, mantém o consultor, que se tornou uma espécie de spin doctor (especialista em comunicação política) acidental do candidato à liderança do PS António Costa antes de este se assumir como tal.

Krausz garante que a última vez que viu António Costa, com quem tinha falado poucas vezes até então, foi na final do Portugal Open, no complexo de ténis do Jamor. “Por coincidência, António Costa ficou sentado a meu lado, trocámos impressões e a determinada altura espicacei-o: ‘Quando é que faz um frete pessoal mas um grande favor nacional?’ Ele riu-se muito e respondeu que, antes de lá chegar, havia um partido a conquistar. E tinha razão, como se está a ver agora”.

Alexandre Krausz está indignado com a “barreira de estatutos paleolíticos” que diz estar a ser erguida pela direcção de António José Seguro para impedir António Costa de discutir a liderança dos socialistas. “O PS diz-se um partido moderno, mas tem “estatutos do tempo da outra senhora e são apenas vinte a trinta pessoas a mandar. Os militantes não têm poder nenhum”, lamenta.

Do clic ao bit
A “gota de água” que levou Alexandre Krausz a criar as contas pró-Costa nas redes sociais ocorreu na própria noite de domingo, dia das eleições europeias. Nem sequer foram as palavras de António Costa na Quadratura do Círculo, na SIC Notícias, que o consultor diz já ter visto com um olho aberto e outro fechado. Foram as proclamações de vitória de António José Seguro e de Francisco Assis, ao princípio da noite.

“Como é que não vêem que aquilo foi um resultado insignificante, numa altura em que temos pessoas de esquerda e até de direita cansadas de um Governo neoliberal e que o populismo começa a emergir?”, indigna-se ainda agora, revivendo o clic que o fez passar ao bit. Foi isso que o levou ao computador para criar o Capacitar Portugal António Costa 2015, no Twitter e depois no Facebook – um lema “inspirado”, que por acaso “funcionou” .

Agora, Alexandre Krausz não exclui a possibilidade de vir a converter a sua “plataforma independente” de apoio a António Costa numa “estrutura institucional” do candidato à liderança do PS. “Pode evoluir para isso, seria um gozo e um prazer. Se surgir o convite, analisaremos. Se não, continuarei a fazer o que estou a fazer”, promete.

Petições online
Na página Capacitar Portugal António Costa 2015 no Facebook está publicitada uma das petições online que reivindicam a realização de eleições internas no PS. Intitulada “Requerimento aberto dirigido a todos os órgãos dirigentes do PS”, foi lançada a meio da tarde desta terça-feira – poucas horas depois de António Costa manifestar publicamente a sua disponibilidade para liderar os socialistas. Às 20h30 desta quarta-feira, o documento contava com mais de 720 subscritores.

Com autor identificado, o militante “Manuel José Pereira – n.º 74067 – Baião – Porto”, a petição, sem nunca nomear António Costa ou António José Seguro, defende também a realização de assembleias gerais e plenários das estruturas locais e concelhios, para análise da “situação política nacional e europeia e proceder à convocatória de congressos extraordinários federativos”.

Apela expressamente à “comissão política nacional, ao secretário-geral e às comissões políticas federativas que representem a vontade da maioria dos militantes inscritos no partido” que “procedam à marcação do congresso nacional” (que a direcção de António José Seguro já avisou não pretender realizar), “com vista a apreciar e definir as linhas da política nacional” do PS e “sucessiva eleição do secretário-geral e restantes órgãos nacionais do partido, tomando por base um quadro de exercício do poder governativo nacional num futuro próximo e aprovar, no momento próprio, o programa para a próxima legislatura”.

Entre os “fundamentos da petição” apresentados, o promotor observa que “os últimos resultados eleitorais demonstraram que a actual liderança do PS não tem vindo a conseguir convencer a esmagadora maioria dos eleitores nem sequer os milhares de cidadãos que se deslocaram às urnas e que votaram branco ou nulo”. E alerta para o “que se está a passar por toda a Europa, com os extremistas e nacionalistas a ganhar terreno e a atirar os grandes partidos (como o PS) para lugares nunca antes esperados nem desejados”.

De madrugada surgiu já outra petição, designada “Seguramente Não”, também a pedir mudança de líder no PS e dirigida à direcção do partido. No documento, que ao princípio da noite contava apenas 13 assinaturas, podia-se ler: “Constatamos que em conjunto o PSD e o CDS/PP representam actualmente menos de um em cada dez eleitores, à luz dos resultados expressos nas recentes eleições europeias. Constatamos, porém, igualmente, que o Partido Socialista não obteve nestas o sufrágio de mais do que 10,7% dos eleitores inscritos. Estamos prontos a apoiar um Partido Socialista renovado que seja capaz de liderar esse urgente processo de mudança. A actual liderança e as actuais estruturas do Partido Socialista – ensimesmadas e evasivas – seguramente não convencem os portugueses. Pedimos aos órgãos do PS que se libertem dos hábitos e receios que impedem essa renovação”, escreveu Jorge Bento Silva, um alto funcionário europeu da área da segurança.

Anúncios

Balsemão saca-nos 4,7 Milhões e em troca dá-nos lições de moral

001

Diz Balsemão que a manchete do Correio da Manhã de Sábado (Balsemão Saca 4,7 Milhões ao Estado) “só pode ser lido de uma maneira: o vil capitalista Balsemão conseguiu ir buscar 4,7 milhões de euros do Estado, no caso da falência do BPP – Banco Privado Português –, passando à frente dos outros credores e dos interesses do próprio Estado. A utilização do verbo “sacar” não tem outra interpretação”….

Ah, tem tem. Tem a interpretação de que um dos fundadores e accionistas do BPP – que nessa qualidade tinha a obrigação de estar atento á gestão que lá se fazia- vai sacar  $4,7 milhões que tinha em “contas de retorno absoluto de investimento”, repito “investimento”, já depois desse caso de polícia que é o BPP ter sacado aos contribuintes 450 milhões de euros.

Ou seja Balsemão esteve ligado à criação e gestão de um banco que sacou milhões a todos nós contribuintes… Sacar tem por isso uma interpretação bem mais alargada. A manchete do CM só peca por defeito bem longe de ser uma armadilha como diz Balsemão. Armadilhados fomos nós ao longo dos anos em que os accionistas sempre se mostraram muito confiantes no seu bom investimento, basta ver  que aprovavam contas, bónus e votos de louvor pelos bons serviços de Rendeiro…

É genial a justificação dada por Balsemão para o recurso, que levou agora a que um tribunal pago por todos nós aceitasse devolver dinheiro que Balsemão investiu num banco muito bem pago por todos nós: “Recorremos dessa decisão para os tribunais, por uma questão de princípio, isto é: por entendermos que, mesmo que as possibilidades de receber alguma retribuição do que era nosso fossem diminutas ou nulas, não havia razão para sermos discriminados em relação aos outros credores”.

Ou seja, em matéria de princípios ficamos esclarecidos. Balsemão acha que o normal é que alguém que era  accionista, ou seja, um dos donos, do BPP seja tratado do mesmo modo que  outros que nada tinham que ver com a gestão do banco. Só quem nõa é sério pode achar que esta visão do mundo está errada. E se calhar até lhe deviamos devolver também o investimento que fez em acções. Proponho a Mercedes Balsemão que inicie desde já uma campanha solidária na SIC Esperança.

Mas, calma meu caro leitor, para o sensibilizar ainda mais para a causa, note que Balsemão não só não deve ser discriminado como é especial:

“Com a agravante de o visado e vilipendiado, ou seja, eu, ser o Presidente do Conselho de Administração de um grupo de comunicação social, a Impresa, que é concorrente direto do grupo de comunicação social Cofina, proprietário do Correio da Manhã”.

Todos de joelhos e mão estendida com mais uns cobres, porque chegou o senhor Presidente!

 

000