Expresso “do diz que disse”, dos “interesses particulares” e “da pequena política”

O espaço em branco fica reservado a Balsemão e aos interesses particulares que o movem.

Do Forte  Apache, uma interessante e acutilante prosa sobre o estado a que chegou o Expresso de Balsemão (tantas vezes denunciado aqui no MERDiA), transformado “num produto menor, o campus da pequena política, dos minuendos, dos processos de intenção, do diz que disse, sobrevalorizando sistematicamente interesses particulares acima dos interesses nacionais”, “tornou-se especialista em proteger os mono e oligopólios que hoje distorcem e asfixiam a economia portuguesa. A carteira dos clientes é mais importante do que os seus leitores, do que o interesse dos cidadãos”. “O Expresso transformou-se num jornal especialista dos interstícios da pequena política, que promove a opinião acintosa e subjectiva, sobrevalorizando aspectos colaterais para nos distrair das agendas políticas que as grandes corporações preferem.

Pequena Política, Grandes Interesses

por MaurícioBarra

Compro o Expresso desde que me lembro. Começou por ser a âncora para os queriam a democracia no período marcelista, foi o ponto de encontro de quem lutou contra a tentativa comunista de controlo do Estado em 1975, foi o porta-aviões da sociedade civil que desejava um país europeu.

Teve bons directores, uns mais tacticistas, outros mais observadores da ética e dos valores, mas sempre encontrámos em alguns dos seus directores e jornalistas um chapéu-de-chuva que permitia, todas a semanas, que a pequena política não dominasse o conteúdo essencial da informação. E, frequentemente, surpreendia o país com trabalhos de investigação. Era um jornal que respeitava e se fazia respeitar e, sobretudo, não se deixava utilizar como veio de transmissão de agendas políticas particulares. Nem era o parceiro silencioso dos interesses instalados na economia portuguesa.

Agora, o Expresso transforma-se num produto menor, o campus da pequena política, dos minuendos, dos processos de intenção, do diz que disse, sobrevalorizando sistematicamente interesses particulares acima dos interesses nacionais. E, para um órgão de comunicação que justamente criticava os monopólios do Estado Novo, tornou-se especialista em proteger os mono e oligopólios que hoje distorcem e asfixiam a economia portuguesa. A carteira dos clientes é mais importante do que os seus leitores, do que o interesse dos cidadãos.

Com um director chico esperto e chocarreiro, e um analista económico socialista que teve artes de, durante dois anos, fazer a bissectriz entre os grandes negócios e a agenda de Sócrates, e não ver o país a caminhar para a bancarrota (vocês sabem o que dizem os grandes empresários, não sabem? com o PS no Governo estamos sempre bem), o Expresso transformou-se num jornal especialista dos interstícios da pequena política, que promove a opinião acintosa e subjectiva, sobrevalorizando aspectos colaterais para nos distrair das agendas políticas que as grandes corporações preferem.

O ataque sistemático ao actual Governo esconde a oposição velada à reestruturação da economia. E à democratização da economia que ela representa. É o principal defensor deste situacionismo, deste jogo de equilibrios construído ao longo de anos e anos, sobretudo pelos governos do PS, entre as grandes corporações, um Estado sobredimensionado e a “rua” da CGTP.  Equilíbrio que nos levou à bancarrota mas que o Expresso nunca admitiu.

A este Expresso aplica-se bem a frase de Lampedusa : só aceita que se mude alguma coisa ( na política ) desde que tudo continue na mesma ( na economia ).

Anúncios
Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: