Monthly Archives: Janeiro 2012

Pôr do Sol para 20

Requiem a mais uns quantos postos de trabalho nos merdia

 

O título deste post bem podia ser o de um anúncio da Vida é Bela… mas neste caso a vida é mesmo de merdia para 20 trabalhadores do jornal Sol que vão ser despedidos, incluindo oito funcionários da redacção.

Os funcionários que serão dispensados foram chamados, ao longo da tarde, pelo director do jornal, José António Saraiva, e pelo director-adjunto,José António Lima, com o semanário a propor que, apesar de os  ir despedir, alguns dos jornalistas continuem a trabalhar em regime de colaboração.

Na origem dos despedimentos está uma tentativa de redução de custos, diz fonte da redacção do semanário ao CM. Uma estranha contenção de custos e um estranho pôr do Sol ,quando a mesma fonte garante ao CM que a viabilidade do título do jornal não só não está em causa, como se prepara para expandir a publicação a outros países africanos, além das actuais edições: Angola, Moçambique e Cabo Verde. Ou seja, o Sol prefere nascer em África.

Publicidade nos EUA: Online supera Imprensa em 2012

O investimento  em publicidade na internet nos Estados Unidos vai superar o feito na imprensa, em 2012, uma facto inédito e que revela a aceleração de uma nova tendência.

Em 2011, a publicidade online subiu 23% para 32,03 mil milhões de dólares, com as projecções da eMarketer a preverem para este ano  um incremento de 23,3% para 39,5 mil milhões de dólares.

Já o valor do investimento publicitário em jornais e revistas deverá cair de 36 mil milhões de dólares para 33,8 mil milhões de dólares.

Ler aqui

Contra-Corrente de quê?

Não podia encontrar melhor síntese do que esta que me enviaram, assinada pelo Rodrigo Paulo de Sousa e Castro , a cuja veia poética o MERDiA de Vida deixa uma vénia, sobre o novo programa de comentários da SIC onde Balsemão tem opinião (quem será que o convidou para ser um dos paineleiros?)…

“Entusiasmado com o novo programa da SICN e com as ideias inovadoras e salvadores que aquelas sapientes criaturas debitam, decidi dedicar aos meus amigos do FB o que segue, naturalmente da minha autoria.

A Ana da CarnaXique,
Botou novo programa,
E pr´atrair o ‘pipol’,
Contra- Corrente lhe chama.

Contra -Corrente de quê ?
Sobressalto inesperado !
Como vou ‘ contrarrentar’,
Se o País está parado !

Mas ali ao dobrar esquina,
Encontrou a solução,
Qual santo milagreiro,
Apareceu-lhe o Balsemão.

Tristes olhos, lindos olhos,
O que te leva a chorar ?
Enxuga-me essas lágrimas,
Que eu sei ‘contracorrentar’.

Já lá vão trinta e tal anos,
Que ensaio o exercicio,
Ora indo na corrente,
Ora não saio do sítio.

E pr’a te fazer feliz,
Minha Bela deprimida,
dar-te-ei um grã painel,
O melhor da tua vida.

Chamarei a Tripa Sêca,
Qu’é mulher de encantos mil,
Pr’ós velhos tem solução,
Manda-os s´ticar o pernil.

Vou buscar o Redondinho,
De inteligência medida,
O primeiro da manada,
A fazer fintas à sisa.

E pr’ a que nada te falte,
E t’é te sobrem sentenças,
Vou buscar o A Barreto,
O homem das mil tenças.

E como da prevenção,
Há regras que não duvido,
Um fisico de profissão,
Há-de estar pronto de ouvido.

Agora toma atenção,
Não te iludas minha querida,
Contra a CORRENTE do Povo,
Deves ficar prevenida”.

Galamares,12.01.2012
Rodrigo Paulo de Sousa e Castro

Atracção fatal entre o Sr. Diário Económico e a Sra. Crise Económica dá… despedimentos

A diária Crise Económica já namora o Diário Económico… e a atracção deste casal é fatal para os trabalhadores do jornal da Ongoing que vão ficar na merdia.

As rescisões por mútuo no DE vêm engrossar as listas de despedimentos nos merdia à portuguesa, depois de ontem ter sido anunciado que a Impala vai pôr no olho da rua 70 trabalhadores, num processo de despedimento colectivo, e de antes termos registado uma tendência igual e preocupante noutros grupos, como o Público do Belmiro, a Cofina do Paulo Fernandes, a Controlinvest do Oliveira, a RTP do Estado, e a Impresa do Balsemão. E agora à lista junta-se a Ongoing do Vasconcellos.

Diz a empresa que os trabalhadores vão sair por mútuo acordo, mas um despedimento é um despedimento e há sempre a hipótese de terem de despedir sem acordo- por isso deixem-se de tretas!.  A merdia de vida será a mesma para quem sai e deixa de trabalhar. E já começam a ser demasiados os jornalistas na merdia…

“O conselho de administração da Económica SGPS decidiu iniciar um processo de redução de custos, com o objetivo de conseguir poupanças anuais de 2,1 milhões de euros, e um milhão e pouco tem a ver com recursos humanos, um pouco mais de metade”, revela à Lusa fonte oficial da empresa.

“Apesar de se tratar de um programa de rescisões voluntárias, as várias direções, incluindo a editorial, estão a convidar pessoas a rescindir, com o objetivo de preservar o “core” do Diário Económico, que são as seções de economia, finanças e empresas”, acrescenta a mesma fonte oficial. Ou seja, voluntárias, mas por convite…

A empresa explica que a culpa é da crise. E por não resistir à atracção vai de fazer poupança à custa de cortes em “colaborações, colunistas e rescisões”, vitímas do amor fatal entre os Sr. Económico e a Sra. Económica

Que vida de merdia esta, que merda de vida!!!

Ler aqui

Impala manda Focus à merdia

Focus

O grupo Impala, liderado por Jacques Rodrigues, anunciou já à redação da revista Focus o encerramento da publicação.

Dois jornalistas confirmaram à Lusa  o fecho do título, enquanto o diretor da publicação, Humberto Simões, e o diretor-geral do grupo Empala, Carlos Ventura Martins, optaram, ao que parece, por fechar a boca, sem que a Lusa os tenha conseguido contactar.

Lusa não distribui dividendos a Balsemão e Oliveira

Os lucros recorde da Lusa em 2011 (2,8 M líquidos), obtidos em parte à conta do corte dos ordenados dos jornalistas da casa (num total de 370 mil euros), não vão dar lugar à distribuição de dividendos, nem para o Estado, principal accionista, nem para os privados, com Impresa e Controlinvest à cabeça.

A decisão tomada por Miguel Relvas é justificada por razões de cariz moral, mas Balsemão e Oliveira devem estar pelos cabelos. Que lhes sirva de lição, já que dividendos não é coisa que ambos tenham por hábito distribuir nos seus concentrados de media, onde se cortam também ordenados e se despedem trabalhadores, mas com um resultado bem diferente: dão prejuízo…

Há um outro argumento que Relvas não usou, mas devia ter usado, para explicar o assunto de um modo sério… A Lusa recebeu do Estado, em 2011, 18.640.000 de euros, pelo contrato de serviço público. Ou seja, apesar do lucro, perderam-se lá quase 16M pagos pelos contribuintes, que também viram o governo cortar metade dos subsidios de Natal de 2011. Isto de uma empresa ter um lucro record à conta do dinheiro que todos nós lá pomos não é um feito histórico, é um feito de merdia… e este ano lá vão mais 19.147.000 de euros…

Ler aqui

Última Hora: Oliveira livre dos “Notícias”

Joaquim Oliveira está à beira de conseguir ver-se livre dos “Notícias” e outras publicações do grupo Controlinvest. Com o negócio quase concluído, Oliveira respira de alívio.

E agora adivinhe lá quem são os compradores…?

Relvas e Balsas em conversas produtivas

Balsemão e Miguel Relvas passaram a sexta-feira em longas e muito profícuas conversas… Não acredito que tenham estado a falar da linha editorial e dos alinhamentos do Expresso, mas lá que há conversas de Merdia, há!

Não sei é se o Passos terá ficado muito satisfeito com os resultados…

CGD alivia Balsemão

Alimentado nos últimos anos pelo BPI, BES e CGD, Balsemão entrou em 2012 preocupado com a crise e com a dificuldade financeira para continuar a dar aso à sua veia de aventureiro na Impresa, mas agora já pode dormir mais descansado.

Ricardo Salgado já o ajudou em 2011, o BPI que tanto o tem apoiado já disse que não pode, mas na CGD Balsemão encontrou uma ajuda para este ano aliviar as preocupações financeiras sob a forma de uma renovação de empréstimo…

Angolanos da Newshold, compradores de cafés “expresso”

O namoro de Balsemão com os angolanos continua a dar frutos e, pelo visto, o dinheiro que pode ter vindo de um concorrente directo nos semanários não parece incomodar Balsemão.

Alguém andou a comprar em força as acções da Imprensa e tudo indica que foram os tipos da Newshold, proprietários do Sol, e já accionistas da Cofina, como se pode ler no Diário Económico:

As acções do grupo Impresa, liderado por Francisco Pinto Balsemão, registaram ontem um disparo de 31%, liderando os ganhos na praça de Lisboa. Fonte oficial da Impresa não quis comentar o desempenho em bolsa, no entanto, segundo analistas de mercado, o exercício de ontem foi motivado por uma ordem de compra do exterior, que inflaccionou o preço das acções logo pela manhã”…

Depois do investimento da angolana NewsHold na empresa de media de Paulo Fernandes, a concorrente Cofina, os analistas contactados pelo Diário Económico admitem que o comprador-mistério poderá ser a dona do semanário “Sol”, uma vez que é conhecido publicamente o interesse em investir no sector de media em Portugal.

A Imprensa fechou a sessão de hoje nos 0,58 euros, o valor mais alto em cinco meses”… 0,58 cêntimos… ou seja, os prováveis compradores angolanos  aproveitaram o preço de saldo a que gestão de Balsemão conseguiu colocar as acções da Impresa, para virem mais uma vez às compras. Isso ou, pelo preço, pensaram que estavam a comprar várias doses individuais de café expresso…