Monthly Archives: Março 2011

Rotários com bússola avariada premeiam Balsemão

A Rotary Internacional só pode andar com a bússola avariada. Ao invés de indicar o norte, indica o desnorte, pois só isso explica que decidam premiar Balsemão na categoria de ‘Empresário’ (se há coisa de que não percebe Balsemão é de gestão de empresas).

A lista de premiados inclui ainda os nomes de Paula Rego (Artes), António Barreto e da jornalista da SIC de Balsemão (estranha coincidência) Ana Lourenço, na área de ‘media’.

A cerimónia dos ‘Prémios Rotary do Distrito 1960’ realiza-se no sábado, dia 2 de Abril… infelizmente, pois um dia antes podíamos sempre achar que a notícia era uma mentira de 1 de Abril.

A…B…C…P – o novo alfabeto do ataque Interoceânico

“A[taque], B,C,P” ou “A[ngola], B,C,P“. Não sei qual a melhor solução para decifrar o novo alfabeto usado para comandar as comunicações entre os agentes Interoceânicos, onde se inclui Balsemão, mas hoje torna-se claro que já começaram as hostilidades.

Accionistas do BCP propõem aumento de capital de 1,12 mil milhões” é o título da notícia publicada ao final desta tarde no Jornal de Negócios. E entre os accionistas signatários da proposta está a Sonangol, parceira de Balsemão e Cia no vôo interoceânico que leva um muito curioso grupo de investidores rumo a uma investida pelo controlo do BCP.

Cunha Vaz agente-duplo da 2ª circular

O Público perguntava em tempos: "Quem é este homem?". O MERDiA sabe: é o agente duplo da 2ª circular

António Cunha Vaz não faz por menos: ganha as eleições no Sporting (a Cunha Vaz & Associados foi a agência de comunicação contratada por Godinho Lopes) e trata ao mesmo tempo da comunicação do Benfica, desde os tempos de Vilarinho.

Um trabalho “glorioso”, de um sportinguista, que  mostra como é possível vestir duas camisolas ao mesmo tempo. Será que os adeptos do Benfica sabem que o seu agente de comunicação é sportinguista e será que os sportinguistas sabem que o seu agente de comunicação trata da comunicação do Benfica?


 

 

 

Lusa, obra de Camões

A Lusa só em gastos de pessoal queimou 12,4 milhões de euros em 2010, um valor 48,7 mil euros acima do gasto em 2009 e que curiosamente corresponde a quase metade da remuneração anual de 86,4 mil euros auferida pelo presidente do conselho de administração, Afonso Camões.

RTP sem ordenados acima da media, mas claramente acima da merdia

“Não creio que [na RTP] haja trabalhadores que recebam acima de média de mercado”. A frase é do presidente da RTP, Guilherme Costa, e reflecte bem o conceito de serviço público por conveniência que esta gente defende. Quando toca a salários estão no mercado, quando toca a pedir subsídios, estão ao serviço do público, ou melhor, a servir-se do dinheiro público.

E ainda tem a lata de gabar os “excelentes” resultados da RTP, que recebeu em 2010 230 milhões dos contribuintes, entre contribuição audiovisual e indemnização compensatória, para apresentar um lucro “fabuloso” de 15 milhões de euros. Ou seja, 215 milhões de euros serviram para alimentar o monstro e os ordenados milionários de alguns que lá trabalham.

Já sei que Guilherme Costa não acredita que os trabalhadores da RTP ganhem acima da média, mas não acha que ganham muito acima da merdia dos ordenados da população portuguesa que os alimenta?

11,2% de desemprego em 2011

O Governo, percebendo melhor a merdia em que o País se encontra, já reviu (no PEC4) em alta a taxa de demprego para este ano:  11,2 por cento, contra os 10,8 por cento anteriormente estimados.

As previsões de Executivo dizem agora que o desemprego vai descer para 10,8 por cento em 2012 e passará para os 9,8 por cento em 2014.

 

Protesto contra Prisa

Os trabalhadores da Prisa saíram à rua, em Madrid, para protestar contra a decisão de despedir cerca de 2500 pessoas tomada pela empresa que, em Portugal, tem a Media Capital (TVI).

Ronalda de Carnaxide em último

A Ronalda de Carnaxide espalhou-se ao comprido na primeira semana na SIC

Contratação milionária de Balsemão, a Ronalda de Carnaxide não podia ter um pior começo no plantel SIC, com o programa Querida Júlia a registar, nesta semana de estreia, audiências e shares mais baixos que os concorrentes da TVI (Você na TV) e  RTP1 (Praça da Alegria).

Quinta-feira, não chegou sequer aos 20% de share ( 17,9%), com menos de metade da audiência do líder Você na TV.

Depois de falhar o pontapé de saída, vamos ver como correm as próximas jornadas do campeonato das audiências para a estrela maior do novo plantel galáctico da SIC.

Marcelo Rebelo de Sousa desmente Balsemão

Um leitor do MERDiA enviou-me uma interessante resposta de Marcelo Rebelo de Sousa a um mail “sobre as acusações, que considerei injustas, que lhe foram feitas recentemente por Pinto Balsemão na edição comemorativa da revista do Expresso”.

O leitor usou o espaço “Perguntas a Marcelo” e decidiu agora partilhar com o MERDiA e os seus leitores , através de um comentário que não publico para salvaguardar a identidade do remetente, a resposta do principal alvo de ataques, por parte de Balsemão, na entrevista publicada pelo Expresso, por ocasião da edição 2000 do semanário. Resposta que está em linha com o que publicamente tem sido dito por Marcelo Rebelo de Sousa.

O professor desmente categoricamente Balsemão e considera as declarações do patrão da Impresa “espantosas… Desde o admitir que usou o poder do Estado para intervir na direcção de um jornal, assim contradizendo a imagem de respeito da liberdade de imprensa de toda uma vida, até à confissão de confusão entre o Primeiro-Ministro e o dono de um jornal… Ou seja, com grande espanto meu e enorme desilusão, numa entrevista infeliz pôs em causa um prestígio de toda uma carreira pública…”.

Marcelo vai mais longe e diz mesmo que “nada se passou como ele [Balsemão] hoje diz que foi”. Revela a sua versão sobre o episódio “lelé da cuca”, recorda um amuo de Balsemão e sintetiza a entrevista do presidente da Impresa assim: “Enfim, tudo muito infeliz e de pouca classe. Mas, além disso, grave, na parte em que Balsemão põe em xeque o que deve ser a separação entre poder político e comunicação social, Estado e interesses privados”.

Em baixo deixo na integra, como me chegou , o corpo do mail enviado pelo leitor  e a resposta dada por Marcelo:

“—————Pergunta——————–

De:
Enviado: Terça, 1 de Março de 2011 19:17
Para: Perguntas a Marcelo
Assunto: Pergunta a Prof. Dr. Marcelo Rebelo de Sousa

Boa Tarde Prof. Dr. Marcelo Rebelo de Sousa,
Venho por este meio, em primeiro lugar, demonstrar-lhe a minha apreciação pelo seu trabalho desempenhado ao longo de tantos anos.
Por essa mesma razão sinto uma enorme indignação com as acusações proferidas por Francisco Pinto Balsemão, em entrevista ao Expresso. Parecem-me extremamente injustas e lamentáveis as considerações que faz a seu respeito.
Desta forma, venho prestar a minha solidariedade para com uma pessoa que tem prestado um trabalho exemplar enquanto profissional e que muita estima me apraz.
Obrigada e os meus melhores cumprimentos,

————-Resposta—————-

Bem-haja! De facto essas declarações, são espantosas! Desde o admitir que usou o poder do Estado para intervir na direcção de um jornal, assim contradizendo a imagem de respeito da liberdade de imprensa de toda uma vida, até à confissão de confusão entre o Primeiro-Ministro e o dono de um jornal…Ou seja, com grande espanto meu e enorme desilusão, numa entrevista infeliz pôs em causa um prestígio de toda uma carreira pública…
Quanto ao mais, que é menor: o episódio do “lélé da cuca” passou-se em 1978,antes de Francisco Pinto Balsemão me convidar para Subdirector em 1979,Director interino no final desse ano, e Director efectivo em 1980,ou seja, não só foi muito anterior a 1981-ao contrário do que parece resultar do texto da entrevista -, como depois dele Balsemão, por três vazes, manifestou total confiança em mim; o pagamento a que se refere resulta de, em 1981,ao convidar-me para o Governo, a Administração do Expresso, me ter dado, como compensação por 8 anos e meio de funções, um automóvel de serviço – um Opel Kadett pequeno – que eu usava há dois anos, e, quando saí do Governo me ter exigido, num amuo, o pagamento do automóvel que me tinha sido dado dois anos antes…
Enfim, tudo muito infeliz e de pouca classe. Mas, além disso, grave, na parte em que Balsemão põe em xeque o que deve ser a separação entre poder político e comunicação social, Estado e interesses privados. O que me admira, até porque nada se passou como ele hoje diz que foi. E o que, de facto, foi era prestigiante para o próprio – que nunca havia interferido na linha editorial do jornal.
Com os cordiais cumprimentos,
MRS

Aproveito  para manifestar aos leitores do MERDiA  a abertura para que, sempre que entendam últil, me façam chegar quaisquer informações que considerem relevantes sobre os temas que trato aqui no blog. Podem, para esse efeito, usar o espaço de comentário moderado, tal como fez este leitor, a quem agradeço a muito interessante informação que me fez chegar e que merece ser partilhada e do conhecimento geral. Afinal, trata-se de Marcelo Rebelo de Sousa a exercer o “contraditório” face às acusações que lhe havia feito Balsemão.

“O poder de Balsemão”…Ó Diabo!

Pinto Balsemão disse hoje no Parlamento, onde foi ouvido sobre o funcionamento do regulador dos media, que a ERC tem  “excesso de poderes”, mas para o jornal “O Diabo“, na edição de 15 de Março, é o próprio Balsemão que vê o xadrez mediático nacional a movimentar-se ao sabor dos seus interesses, reforçando o seu poder. E, digo eu, qualquer poder que tenha é em excesso.

No artigo “O poder de Balsemão”, o jornalista Paulo Pizarro nota que  “o patrão da SIC tem à frente da concorrência pública e privada dois jornalistas [José Alberto Carvalho e Nuno Santos] que já passaram pelo seu canal. O caminho para uma liderança financeira e de audiências está em aberto”.

“Face às movimentações que se assistiram nos últimos dias, chega-se à conclusão de que há elos directos entre o dono da SIC e os nomes que a partir de agora irão estar à frente da RTP e TVI, facto que permite concluir que Pinto Balsemão tem desde já a via livre para cumprir o plano de retirar a publicidade ao canal público e conquistar mais lucros para si”, diz Pizarro.

O jornalista recorda um outro plano de Balsemão, já aqui lembrado há dias, de entregar um canal à Igreja, na altura em que foi primeiro-ministro.

Para “O Diabo”, hoje  “as peças do xadrez estão a movimentar-se ao sabor do Patrão de Carnaxide”, cujo interesse será, por um lado, retirar a publicidade da RTP para encaixar mais uns milhões e, por outro, ver, nos lados de Queluz, uma competição menos aguerrida. Neste sentido, como refere o jornal, “longe vai o tempo em que, por exemplo, Emídio Rangel, ex-director da SIC, abandonou a estação de Carnaxide em litígio com Balsemão e assentou arraiais no canal do Estado onde fez concorrência feroz ao antigo patrão. Não se prevê que, quer José Alberto Carvalho, na TVI, quer Nuno Santos, na RTP, venham agora a desafiar abertamente o poder do seu antigo patrão como o fez no passado o mesmo Emídio Rangel – cujos anunciados novos projectos jornalísticos com a parceria do antigo administrador da PT, Rui Pedro Soares, terão acabado antes de começarem”.

Pizarro recorda que “Portugal é um País pequeno e José Alberto Carvalho e Nuno Santos sabem que um dia ainda podem ter de vir a comer da mesma mão que já lhes pagou salários – com estas mudanças de mercado, há muito que perdeu sentido aquele dito geralmente atribuído a Balsemão de que não se deve voltar a contratar uma empregada que resolveu despedir-se por vontade própria”.

“A guerra das audiências vai começar. Poder-se-á argumentar que, para a TVI e RTP, será uma vantagem ter à sua frente pessoas que conhecem o que vale a SIC e quais as formas de a combater. Mas, para a SIC, o mesmo argumento também é válido. E o patrão deles é um ex-primeiro-ministro e, recorde-se de novo, militante número um do partido que quer voltar a governar Portugal com maioria absoluta”, conclui.

Caso para dizer: Ó Diabo!