Monthly Archives: Outubro 2010

Jornalistas da RTP juntam-se à luta

Descontentes com esta merdia de vida, também os jornalistas da RTP decidiram ontem em plenário aderir à greve do próximo dia 24 de Novembro, que seguramente não deixará de fazer uma transmissão em directo do acontecimento.

Impresa com prejuízos alerta para dificuldades

A Impresa registou  um prejuízo de 1,3 milhões no terceiro trimestre, quando na mesma altura de 2009 tinha lucros de 2,4 milhões de euros.

No total dos primeiros  nove meses deste ano, o grupo regista, no entanto, lucros de 2,1 milhões de euros, uma subida de mais de 728,5% face a igual período do ano passado.

Lembre-se que para o desempenho de 2009 muito contribuiram os mais de 100 milhões de euros “sacados” aos cofres do Estado, através de investimento publicitário (recorde-se que os dois grandes concentrados de media – Impresa e Media Capital – receberam 58 por cento do bolo total de espaço publicitário comprado pelo Estado nos media, sem contar com autarquias, tribunais, Presidência e Assembleia da República), e por isso fico a aguardar ansiosamente para saber quanto assegurou a Impresa este ano dos contribuintes.

Balsemão pode sorrir, mas ao que parece com alguma moderação. A “evolução da conjuntura económica a partir do início do segundo semestre não deixou de se reflectir nas contas da Impresa”, nota o relatório e contas do grupo.

E a Impresa deixa um alerta: “À semelhança do que já fez no passado, a Impresa não deixará de tomar as necessárias medidas – nomeadamente de controlo de custos – para preparar mais um exercício em ambiente que se adivinha muito adverso”. Mas, não diz se que custos serão controlados ou se isso pressupõe dispensas de pessoal… A ver vamos…

O novo jornal “i”

O Reino Unido também já tem um jornal “i”.  Lançado pelos responsáveis do jornal The Independent, o “i” é o primeiro diário de referência e de âmbito nacional a ser lançado no RU, nos últimos 25 anos.

Com preço de capa de  € 0,23, a publicação quer competir com os caros jornais de referência rivais e também com os gratuitos locais.  meta é atingir uma circulação paga de 400 mil exemplares.

Grandes jornais dos EUA em queda

A circulação diária da maior parte dos maiores jornais dos EUA caiu durante os últimos seis meses (Abril a Setembro), em média, 5%, face a igual período do ano passado. Um resultado que vem agudizar os problemas provocados pela fraca publicidade e pela concorrência dos media digitais, de acordo com o Audit Bureau of Circulations norte-americano.

Ler aqui

Despir para melhorar espírito deficitário

Depois do fecho da FHM e da Playboy, estava preocupado com o facto de não termos em portugal uma revista no segmento masculino despida de preconceitos. Agora já está nas bancas o primeiro número da Penthouse Portugal. Para animar o espírito dos homens portugueses altamente deficitário nos dias de hoje. E claro sempre são mais uns postos de trabalho nos media.

A notícia aqui

M&P: “Investimento sobe 3,4% em Setembro”

“Em Setembro o investimento publicitário aumentou 3,4% face a igual período do ano passado”, revelam os dados da MediaMonitor, citados pelo site  Meios e Publicidade. No último mês, a preços de tabela,  o investimento ascendeu a 416, 6 milhões de euros, com o acumulado do ano a atingir agora os 3.585.855 euros, ou seja, subiu 4,73% em relação aos primeiros nove meses do ano passado.

Balsemão apanhado nas escutas

Nas escutas a Sá Carneiro hoje publicadas no Correio da Manhã, mereceu-me especial atenção a transcrição de uma conversa entre líder do PSD  e Francisco Balsemão.

Na conversa os dois falam dos próximos assuntos a falar no Expresso, com uma selecção de artigos e entrevistas a publicar que visavam dar resposta a vontades políticas de ambos, pelo que se percebe claramente. Ainda que dando de barato o facto de estarmos ainda, na altura, sob o regime de Marcelo Caetano, e que o Expresso era alvo de censura, a verdade é que este excerto prova que Balsemão usou o Expresso para defender as suas ideias políticas, usando uma perspectiva puramente utilitária de um orgão de comunicação social.

Muitas vezes o tenho ouvido dizer para quem ainda o quer ouvir que sempre manteve o carácter independente do Expresso, e que nunca (dando sempre o exemplo de capas desagradáveis de que foi vítima enquanto primeiro-ministro) o jornal serviu quaisquer interesses políticos… como se nota.

Além da censura também outras vontades, pelo que se lê hoje, condicionavam a agenda do Expresso, o tal que se “confunde com a história da imprensa livre em Portugal” e que ao que dizem as prosas oficiais do semanário “mantém-se como um jornal independente, isento e inovado” e que garante ainda:  “A sua missão de liberdade face a qualquer tipo de poder permanece inalterada, tal como a vontade de dar aos seus
leitores e internautas a informação mais séria e rigorosa”…

Pois sim, mas há hábitos que não se perdem e muitas capas e notícias do Expresso nesse ponto têrm sido esclarecedoras.

Boas práticas para jornalistas que blogam e comentam

Esta é a receita do jornal britânico Guardian para os jornalistas que têm blogs e que respondem a comentários no site guardian.co.uk

Claro que isto são regras internas para o site do jornal, mas  também podiam, nos princípios gerais como é evidente,  servir como regras para alguns jornalistas armados em comentadores de tudo e mais qualquer coisa, sem que fique claro, muitas vezes, onde começa o jornalista e onde acaba o comentador.

1. Participate in conversations about our content, and take responsibility for the conversations you start.

2. Focus on the constructive by recognising and rewarding intelligent contributions.

3. Don’t reward disruptive behaviour with attention, but report it when you find it.

4. Link to sources for facts or statements you reference, and encourage others to do likewise.

5. Declare personal interest when applicable. Be transparent about your affiliations, perspectives or previous coverage of a particular topic or individual.

6. Be careful about blurring fact and opinion and consider carefully how your words could be (mis)interpreted or (mis)represented.

7. Encourage readers to contribute perspective, additional knowledge and expertise. Acknowledge their additions.

8. Exemplify our community standards in your contributions above and below the line.

Liberdade de imprensa: Portugal entre piores da UE

Primeiro estranha-se… Diz o DN: “A União Europeia (UE) está perto de perder o pódio da liberdade de imprensa e Portugal é um dos principais responsáveis por este recuo: no último ano, o nosso país caiu dez lugares no ranking elaborado pela organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF),  estando agora em 40º, um dos piores classificados entre os europeus. Há dois anos, Portugal era 16º e em 2007 figurava entre os “campeões” da liberdade de imprensa, que continuam a ser os países do Norte da Europa“. Depois, que remédio, entranha-se…

 

Afinal cá o burgo não era um marco de todas e mais algumas liberdades no campo dos media?

Impresa e Media Capital comem mais de metade da publicidade estatal

Eles comem tudo Eles comem tudo. Eles comem tudo e não deixam nada

Impresa e Media Capital foram os grupos de comunicação social que mais dinheiro sacaram dos cofres do Estado em investimento publicitário do Estado, com, respectivamente, 122 e 116 milhões de euros “bem” ganhos em 2009.

O que torna estes valores um escãndalo é que “estes 238 milhões de euros representam 58 por cento do bolo total de espaço publicitário comprado pelo Estado nos media, sem contar com autarquias, tribunais, Presidência e Assembleia da República”, diz o Público.

Como podem querer que os restantes media em portugal sobrevivam quando temos dois grupos altamente subsidiados pelas contas públicas, alguem me explica?

Toda a notícia aqui