Monthly Archives: Julho 2010

Prejuízo por despedimentos

Veja aqui os pormenores da  “história” montada à volta do prejuízo da “Empresa do Diário de Notícias”, diário madeirense que mandou à merdia 21 trabalhadores em 2009.

Anúncios

A crise quando nasce não é para todos

As dificuldades financeiras de uns são a alegria de outros, enquanto os pequenos media lutam para sobreviver o maior concentrado de media português tem ainda muito sumo para dar. A Impresa de Balsemão fechou o primeiro semestre de 2010 com um lucro de 3,3 milhões de euros, depois do prejuízo de 2,2 milhões de euros obtido nos mesmos meses do ano passado.

Com receitas de 134,1 milhões de euros (um crescimento de 9,2%), entre Janeiro e Junho deste ano, não há desemprego ou falências em catadupa num país deprimido e em agonia que tirem o sono a Balsemão e à sua Impresa. A limpeza na Impresa em 2008, com vários despedimentos parece estar a dar resultado

Times perde dois terços dos utilizadores

A decisão do The Times de cobrar pelo conteúdos online do seu site está já a dar bons resultados… O jornal britânico viu partir dois terços da sua audiência habitual. Logo no momento em que o site começou a preparar a introdução do sistema de cobrança, pedindo aos utilizadores que efectuassem o registo, as quebras de tráfego chegaram aos 58%.

Mas até não é mau de todo, os especialistas estimavam que as quebras pudessem chegar aos 90%, mas ainda há esperança de chegar a esses valores, pois a quebra de 66% pode estar a ser suportada pela desconto de lançamento do serviço.

Não há almoços grátis, é verdade, mas no online, ao que parece, também não há muitos que queiram pagar para comer…

O Senhor Doutor Pinto Balsemão

Pinto Balsemão, vai receber, a 11 de Outubro, o grau Honoris Causa da Universidade da Beira Interior (UBI). Diz o reitor da instituição, João Queiroz, que a escolha tem em conta o papel de relevo desempenhado por Pinto Balsemão na área da comunicação, mas o estúdio da SIC instalado na UBI também deve ter tido algum peso.

“É uma distinção justificada pelo mérito e obra desenvolvida em prol da comunicação social portuguesa, mas também pela consolidação de uma democracia livre e plural no nosso País”, palavras a que devia ser acrescentado o mérito de ter sempre contribuído e continuar a contribuir decisivamente para uma cada vez maior concentração e menor pluralidade dos media. Parabéns Sr Doutor!

Despedimento “Simplex”

Ovacionada pelos patrões a ideia peregrina do PSD de substituir a expressão “despedimento sem justa causa” pelo “despedimento sem razão atendível” é a receita milagrosa para facilitar a vida a quem quer despedir.

Ver aqui

Expresso Emprego com mais leitores

Pinto Balsemão pode ficar cada vez mais confiante do sucesso comercial do seu gigante dos media, em particular do Expresso.

O Caderno de Emprego vai ter cada vez mais leitores: Só na zona da Grande Lisboa 97 empresas já avançaram este ano com despedimentos colectivos. São mais 1.600 novos leitores, números são avançados pela União dos Sindicatos de Lisboa, que cita dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) e do Ministério do Trabalho.

E só nos dois últimos anos, 260 empresas da região de Lisboa e Vale do Tejo iniciaram processos de despedimento colectivo de mais de 3.800 trabalhadores.

Artistas sem emprego, “é falso”

“É falso”. Admirável poder de síntese da ministra da Cultura quando há dias foi confrontada com as acusações de que milhares de artistas vão ficar sem emprego e sem subsídios.

Verdade seja dita que, quando ouvi esta notícia até pensei que podia ser boa. É que conheço muitos “artistas” que mereciam ficar sem tachos para fazer música.

Crise nos Económicos

Todos os jornais e revistas de economia registaram no segundo trimestre quebras de audiência. Numa altura em que a economia é o tema quente da agenda mediática é um sinal preocupante para estas publicações especilizadas. Ver aqui

Pagar para comentar

O jornal norte-americano The Sun Chronicle teve uma ideia brilhante e vai agora  cobrar um dólar aos utilizadores do seu site para poderem comentar os artigos publicados online, tudo para combater o “flagrante desrespeito pelas nossas linhas mestras, acusações cegas e alegações não sustentadas”, e já agora ganhar também uns trocos.  Isto porque o comentário livre e anónimo também tem um preço. Por cá no Merdia de Vida os leitores continuam a não pagar nada para comentar desde que haja respeitinho.

Haja acordo!

A APImprensa e o Sindicato de Jornalistas alcançaram anteontem um  acordo para o novo Contrato Colectivo de Trabalho dos Jornalistas e agora prometem uma “carreira profissional mais estimulante, passando de sete para 23 níveis”, a aproximação das tabelas salariais à realidade do sector, “num progressivo esforço de valorização do trabalho dos jornalistas, reconhecendo que tais tabelas se encontravam desactualizadas”. Mas nem uma palavra sobre o problema da excessiva concentração dos media que tem levado a uma degradação da profissão e a uma realidade que qualquer dia exige um “Contrato Colectivo de Desemprego dos Jornalistas”.